Instruções para embalar fardos

Primeiro, deixe a semente germinar; ela foi plantada com um propósito, e é crucial que seu ciclo não seja interrompido. Lembre que aqui não entram suas vontades e idiossincrasias: o espaço está ocupado com a plenitude, e a plenitude é maior do que você. Zele pelo todo. Proteja-o com a vida, se preciso. A semente precisa germinar.

Então, as raízes tomarão forma. Observe a beleza sobrenatural, quase feérica que grassa ao seu redor. Uma caixa de Pandora para remediar o mundo, e não para danificá-lo. Seja um reparador, a panaceia que dá o toque terreno ao fantástico, àquela quase-ilusão-real-demais-pro-meu-gosto-mas-ah-meu-gosto-não-importa.

A semente tornou-se uma floresta em expansão. Veja como você não consegue acompanhar o ritmo voraz do crescimento, as árvores cobrindo as terras áridas com uma ânsia irrefutável de dominação, sem temor ou piedade, senhoras de si e de outrem. Não esqueça que paradigmas em ruptura machucam, mas impassividade, resiliência e submissão lhe são peculiares e indispensáveis. Você não pode controlar o incontrolável; ele é que controla você.

Você jamais mensuraria o quão ampla a floresta haveria de se tornar. Chore de emoção ao vislumbrar o horizonte perdido que se aproxima. Mas prepare-se, uma enchente vem aí. As águas torrenciais ajudarão a propagar a grande causa; a floresta atingirá seu zênite! Vibre! Rejubile-se! Deixe-se arrastar pela corrente irrefreável e deliciosa das lágrimas fluviais. Qual a sensação de se perder no turbilhão de sensações vorticosas, promessas quebradas e dúvidas?

Ah! não há tempo para isso! Não perca de vista o horizonte perdido. É o seu ponto de referência. Vejo que a água varreu você, ou o que sobrou de você, trazendo-o ao cerne da grande floresta, bunker e fortaleza do mundo, essência de poder e sanha pelo infinito. Mas este não cabe a você. Apenas contemple: sinta o horizonte tornando-se carmim, jatos preciosos do sangue derramado na construção desse magnífico ideal. Contemple, mas não ouse tocá-lo, pois ele não lhe pertence.

Suba a escada. Sim, seus degraus parecem infindáveis, mas você terá sua recompensa. Servir é sua recompensa. Exausto? Nem pense em fraquejar. Não lhe é permitido hesitar. Resista. Respire. Servir, servir. Isso. Abra a porta. Olhe ao redor. Absorva tudo, cada detalhe. O mundo é seu. Seu fardo. Pronto! A embalagem ficou perfeita, meus parabéns! Agora, dobre os joelhos, abra os braços. Receba o peso – sua recompensa. Atrele o fardo às suas costas. Vire-se; não olhe para trás. E tome seu rumo.

Anúncios

2 respostas para Instruções para embalar fardos

  1. Lina Carolina disse:

    Ótimo texto, Ramiro (que já deve estar cansado de me ver comentando isso, rs). Esse e o texto anterior “A Fabulosa Hecatombe Existencial” deveriam fazer parte de uma série assim: “Viagem ao Eu Interior: passagem só de ída”

  2. Luchito disse:

    Excelente texto, Ramshow. Abrasss

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: