Cartas ao inominável

Rasgo minha carne gelada e te escrevo palavras vacilantes

com o sangue peçonhento que vaza dessas veias dilatadas,

pela fúria do que nem sei, não devo e não irei nomear.

Sou um exemplo do que não se segue

e não me seguirei em direção ao abismo dentro de mim,

mesmo que acabe te engolindo na tentativa vã de calar o vazio que me habita.

Espero, no fogo, pelo conforto das águas inexistentes e tormentosas,

o frio que paralisa a pele, a pele que rasgarei em sacrifício

àquilo que não ouso nomear,

a criação deturpada.

Te destruo com ondas de um pretenso amor, me (des)faço em pedaços

e te ofereço os restos de mim, uma carta, um aperto, alento

jogado ao vento.

Perto do escuro eu me encontrarei

e me (des)farei em outros pedaços

e entregarei a fúria aos que merecem

e me negarei o conforto de uma nova aurora.

Para tudo aquilo que não previ

e que viste se despir nos meus traços bruscos, infames e mortificados,

voltarei com vinte mil pedras e esfolarei tua alma

até que implores pelo que jamais deveria ter desejado,

o néctar da vida desesperada, o sangue que jorra do pulso cortado,

prazer agônico de morrer inerte, mas pleno.

A parede dignifica e amplifica o som da minha voz,

a parede recebe e absorve o canto da lamúria,

perdida no espaço dos abraços que neguei,

das vozes que calei,

dos santos que invoquei,

das verdades que ignorei,

além.

Abraço a morte da ilusão como facas afiadas,

velhas amigas, a cadência da chama vacilante,

que não vacila mais que o coração que insiste em palpitar

apesar do vazio que nem mais lhe cabe.

Escrevo cartas àqueles que não preciso nomear,

ao vazio e desespero que nos purificam

com a raiva e o medo de sentir

cada vez menos, cada vez pior.

Ao vazio intenso que me obriga a me rasgar,

àquela sanha por sangue, o desejo de trucidar

cada alma que se finge viva,

cada falsa alegria, eu desejo assassinar,

e no fim, só me resta golpear teu orgulho ferido,

tuas chagas que não se atrevem a cicatrizar,

e calar tua risada doce e falsa,

pois ofertaste tua dor e tuas vitórias ao desconhecido

e te fizeste presa do diabo,

eu, teu amante, pesadelo libidinoso,

que abre e devora teus sentidos em rompante furor,

a violenta conexão de corpos que se mutilam e se amam

de forma sádica, repulsiva, adorável;

tua coberta de cólera aplaca as agonias de pairar

entre o vazio e algo assim, algo além, que não sabes, não sei.

Anúncios

One Response to Cartas ao inominável

  1. Carolina Paiva disse:

    Gostei do novo estilo, mais frenético. Acho que combina melhor com a tua narrativa. Abraços e parabéns por mais um ótimo texto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: